Ausência de preservação em local de crime dificulta trabalho da Perícia Oficial do Tocantins em escola onde aluno foi esfaqueado em Palmas nessa terça-feira

22/06/2022 30/06/2022 15:13 124 visualizações

Da Ascom

Preservar o local de crime mediante seu isolamento e demais cuidados com os vestígios é uma garantia de que o Perito Oficial encontrará a cena condizente com o que ocorreu de fato, devido à ação do infrator, assim, como também pela vítima, tendo com isso, a possibilidade de analisar todos os vestígios seguramente.  No entanto, quando isso não acontece, os trabalhos da Polícia Científica podem ser prejudicados ou até impossibilitados não atingindo o resultado ideal para a investigação. 

Um exemplo disso foi o que aconteceu em Palmas nesta terça-feira, 21, quando um aluno de 13 anos foi esfaqueado por outro de 15 anos, dentro de uma escola pública na Capital. A Perícia Oficial foi acionada somente horas depois do fato e ao chegar ao local do crime, a cena havia sido alterada. O local tinha sido lavado e praticamente já não havia mais vestígios de sangue. Com isso, a Perícia realizou os levantamos periciais da forma que era possível com vestígios alterados ou parciais para tentar mesmo assim determinar uma dinâmica do evento e materializar o fato no laudo pericial. Os materiais registrados e coletados foram encaminhados ao Instituto de Criminalística, que prosseguirá com a análise.