Mestrando da UFT: Perito Oficial Biólogo do Tocantins, Tiago Battisti Scapini, expõe projeto de pesquisa sobre Entomofauna Associada a Cadáveres Humanos na Agrotins

13/05/2022 17/05/2022 14:38 338 visualizações

Da Ascom

O Perito Oficial Biólogo do Tocantins, Tiago Battisti Scapini, mestrando do Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade, Ecologia e Conservação da Universidade Federal do Tocantins (PPGBec/UFT - Porto Nacional), estará expondo seu projeto de pesquisa intitulado “Entomofauna associada a cadáveres humanos do Instituto Médico Legal do Tocantins (IML/TO)”, na Feira de Tecnologia Agropecuária do Tocantins (Agrotins/2022), nesta sexta-feira, 13. 

Tiago Battisti Scapini informou que a coleta dos insetos nos cadáveres humanos ocorreu de janeiro de 2021 a abril de 2022, com o objetivo de compreender a composição da comunidade de insetos necrófagos encontrados no Tocantins a fim de identificar as espécies de interesse forense.

A pesquisa consiste em coletar ovos, larvas e pupas diretamente nos cadáveres humanos colonizados e, em laboratório, criar os animais até estes completem seu ciclo de vida, alcançando a fase adulta. A partir desta fase, os animais são eutanasiados e identificados a nível de espécie. Após a identificação, é possível realizar um cálculo de regressão linear e realizar uma estimativa do intervalo pós-morte (IPM), com o objetivo de determinar o tempo decorrido entre morte do indivíduo e o encontro do cadáver, informação primordial na investigação criminal.    

O Perito Oficial Biólogo assegura que “com esse levantamento de espécies, teremos condições de responder algumas questões importantes a respeito das circunstâncias do crime como: estimativa de intervalo pós-morte, transferência pós-mortal, pesquisa sobre entomogenética forense e entomotoxicologia forense’, disse.

Para o Mestrando da UFT, “as evidências entomológicas encontradas nos cadáveres fornecem uma série de informações e essa é uma área ainda pouco explorada a nível de Brasil, tendo em vista que poucos institutos de criminalística possuem laboratórios de entomologia forense. Aqui no Tocantins nós ainda não temos, mas essa pesquisa é o primeiro passo para que a gente consiga no futuro estruturar um laboratório e auxiliar a Polícia Científica na elucidação dos crimes’, destaca.

Coleta autorizada

As coletas dos insetos foram feitas em mais de 30 cadáveres oriundos de várias regiões do Estado. As coletas foram realizadas pelo Perito pesquisador e pelos Agentes de Necrotomia do Instituto Médico Legal, em virtude do acesso legal aos cadáveres. A pesquisa foi autorizada pela Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP-TO), pelo IML/TO e pelo Comitê de Ética e Pesquisa Humana da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Além destas, a pesquisa também foi autorizada pelos órgãos ambientais competentes por fauna silvestre.

O Perito ressalta ainda que nenhuma informação de cunho pessoa sobre os cadáveres humanos é coletada e nem divulgada pelos pesquisadores. Além disso, a coleta garante o sigilo das informações e é realizada com respeito aos familiares que perderam um ente querido.

Outro ponto destacado pelo pesquisador é que a entomologia forense fornece o dado mais confiável para a estimativa pós-morte em cadáveres em avançado estado de decomposição, pois após 72h os fenômenos cadavéricos naturais sofrem uma grande influência do ambiente, o que acaba dificultando a estimativa de intervalo pós-morte no exame necroscópico que é realizado pelos médicos legistas. Então neste caso, a entomologia forense é a melhor evidência para estimar o intervalo pós-morte do cadáver. 

Pesquisadores

Participam da pesquisa pesquisadores da Universidade Federal do Tocantins (PPGBec/UFT-Porto Nacional), da Universidade Federal de Pelotas no Rio Grande do Sul (UFPel/RS) e da Polícia Científica do Tocantins. 

Pesquisadores

- Tiago Battisti Scapini - Mestrando do Programa de pós-graduação em Biodiversidade, Ecologia e Conservação – UFT.

-Nicole de Oliveira Kavalerski. - Graduanda do Curso de Ciências Biológicas – UFT.

- Rosildo Mendes Evangelista Sobrinho - Professor Doutor. Instituto Médico Legal – IML/Tocantins.

- Tainá de Abreu - Professora Doutora. Universidade Federal do Tocantins – UFT.

- Ediana Vasconcelos da Silva - Professora Doutora. Universidade Federal do Tocantins – UFT.

- Fernanda de Castro Nunes - Graduanda do Curso de Enfermagem – UFT.

- Kauanne Reis - Graduanda do Curso de Enfermagem – UFT.

 - Elane Tomaz - Instituto Médico Legal – IML/Tocantins

- Rodrigo Ferreira Krüger - Professor Doutor. Universidade Federal de Pelotas - UFPel (orientador)